quarta-feira, 1 de outubro de 2014

DEBATE TV CLUBE

Processo por homicídio no STF contra Wellington Dias foi o tema da 1ª pergunta de Zé Filho
Atual governador e candidato à reeleição, Zé Filho não aceitou a resposta do candidato do PT.

O candidato Zé Filho, do PMDB, iniciou o debate da TV Clube perguntando a Wellington Dias, do PT, quando ele irá depor no processo em que é acusado de homicídio pela tragédia de Algodões, que corre no Supremo Tribunal Federal.

W.Dias disse que iria no tempo certo. “Não fui notificado ainda. É um processo que será tratado no momento certo. Tenho a convicção de que tenho o direito ao meu lado”, desviou Wellington Dias. E seguiu dizendo que esteve recentemente em Cocal, cidade onde morreram algumas e moram outras vítimas da tragédia.

“Quero agradecer aliás, a Cocal, pela maneira como fomos recebidos, pelo prefeito Rubens. Pessoas lá, aliás, reclamaram de repasses atrasados”, rebateu o petista.

Atual governador e candidato à reeleição, Zé Filho não aceitou a resposta do candidato do PT. “O PT acha tudo normal. É um crime de homicídio!”, exclamou o peemedebista. E seguiu indignado. “Se fosse eu em seu lugar, eu nem seria candidato. Em algum momento o senhor terá que ser julgado, pelo mesmo STF que julgou seus amigos que foram presos. Estamos falando de vidas que foram perdidas”, ressaltou Zé Filho, lembrando do Mensalão.

Wellington Dias, do PT, preferiu não seguir no assunto. “Já respondi. Só vou tratar disso no Judiciário”, resumiu o petista.

Edição: Frank Cardoso (Portal Boca do Povo)
Fonte: Apoliana Oliveira (180graus)

2 comentários:

FRANCISCO DAS CHAGAS VAL FILHO VAL disse...

Pra ser estrategista dessa forma tem de ter sangue de barata. W.Dias, recebe a porrada e devolve com beijos, parece até uma brincadeira!
Pra mim, isso não é educação, e se é Índio, é um pajé sem miolo.

Ari Damasceno disse...

ESSE CANDIDATO, ZÉ FILHO É FRAQUÍSSIMO PARA CONDUZIR O GOVERNO DO PIAUÍ. O CANDIDATO TEM A OPORTUNIDADE DE APRESENTAR PROPOSTAS PARA A POPULAÇÃO, COMO MELHORAR A SAÚDE, A EDUCAÇÃO E SEGURANÇA (...) E, AO INVÉS DISSO, VAI ATACAR O OUTRO POR ALGO QUE NÃO SE SABE SE ELE COMETEU. QUE PROPOSTA DE GOVERNO, HEIN?